Desaparecimento de Sri Rasikananda Deva Goswami

por Srila Bhakti Ballabh Tirtha Maharaja
[Extraído de “Sri Chaitanya: His Life & Associates”]

796px-Khirachora_Gopinatha_Temple
Templo Khirchora Gopinath

Nascimento de Rasikananda

Rasikananda Deva Goswami nasceu em 1512 da era Saka (1590 d.C.) na vila de Rohini ou Rayni situada na confluência dos rios Subarnarekha e Dolanga, distrito de Midnapore. Seu pai se chamava Raja Achyutananda e sua mãe, Bhavani Devi. O rio Subarnarekha cruza toda a fronteira atual entre a Bengala e Orissa. O distrito de Midnapore costumava fazer parte do reino de Orissan. Raja Achyutananda era um orissan da casta Karana, o equivalente aos Kayasthas na Bengala. Um Vaishnava está além das qualidades materiais e não deve ser julgado em termos de origens e casta. Achyutananda e Rasikananda nasceram na casta Karana para bendizer isso.

Podemos presumir que Rasikananda era uma manjari na Krishna lila. Apesar de seu mestre espiritual Shyamananda ter sido iniciado por Hriday Chaitanya Goswami, que adorava o Senhor no humor de amizade, posteriormente refugiou-se no humor conjugal devido a associação com os devotos de Vraja liderados por Jiva Goswami. Então, Shyamananda iniciou Rasikananda na adoração à Radha e Krishna.

Rasikananda também era conhecido pelo nome Rasika Murari. Nityananda Das, discípulo de mãe Jahnava, escreveu em seu Prema-vilasa que Shyamananda tinha dois principais discípulos, um chamado Rasikananda e outro Murari, ambos vivendo em Rayni. Porém, Narahari Chakravarti indica claramente no Bhakti-ratnakara que ambos os nomes se referem ao mesmo indivíduo.  Na vila de Rayni, viveu o famoso filho de Acyutananda que atendia pelos dois nomes: Rasikananda e Murari. Assim, ele também era conhecido como Rasika-Murari. Ele aprendeu as escrituras ainda na infância. (Bhakti-ratnakara 15.27-8)

Rasika Murari encontra Shyamananda Prabhu

Rasika Murari estava ansioso para encontrar um mestre espiritual que pudesse orientá-lo no caminho místico. Certo dia em Ghantashila, foi até um lugar deserto para meditar. Ele tinha acabado de entrar em um transe muito profundo quando ouviu uma voz de fonte invisível dizer, “Murari! Não é mais necessário ficar tão ansioso. Seu guru é Shyamananda e você irá encontrá-lo aqui muito em breve. Refugie-se nele e sua vida será bem-sucedida.”

Ao ouvir a mensagem divina, Murari começou a cantar com alegre entusiasmo o nome de Shyamananda em suas contas. Ele passou a noite toda chorando com grande expectativa de conhecer o seu guru, até que finalmente, no tardar da noite, teve uma visão em forma de sonho de Shyamananda Prabhu dizendo a ele, “Não se preocupe mais, você me encontrará ainda hoje.”

Ao amanhecer, Rasika Murari saiu à procura do seu guru e então viu a figura alta de Shyamananda se aproximando, tão resplandecente como o sol. Rodeado por discípulos como Kishor Das, ele estava dançando em um estado de absorção no amor divino, enquanto cantava os nomes de Nityananda e Caitanya. Rasika Murari havia esperado ansiosamente por tanto tempo para encontrar seu guru que imediatamente caiu aos seus pés. Carinhosamente, Shyamananda o levantou e lhe abraçou. Em seguida, após lhe dar o mantra Radha-Krishna, ele o ofereceu para Caitanya e Nityananda Prabhus. Toda esta história demonstra como podemos encontrar um guru através de orações sinceras.

Rasikananda torna-se um potente pregador

Rasikananda Deva Goswami comprometeu-se plenamente em corpo, mente e alma ao serviço do seu guru. Na verdade, serviu-lhe tão bem em tão pouco tempo que foi reconhecido como o principal discípulo de Shyamananda, um poderoso pregador e guru iniciador. Na verdade, é evidente que um bom discípulo torna-se um bom professor. Um mestre espiritual pode ter inúmeros discípulos o chamando de guru, mas na verdade, são discípulos apenas no nome. Só um verdadeiro discípulo que dedicou-se completamente ao seu mestre espiritual é imbuído com todos os poderes do guru. Shyamananda investiu em Rasikananda tal potência espiritual que ele foi capaz de converter no caminho da devoção muitos criminosos, ateístas, muçulmanos e outras almas caídas, concedendo a joia de prema a todos eles.

Em uma ocasião, um muçulmano perverso tentou silenciar Rasika Murari atacando-o com um elefante irado, mas Rasikananda transformou até mesmo o elefante em um discípulo e o engajou no serviço a Visnu e aos Vaishnavas. Todos os que testemunharam esse evento incrível ficaram impressionados e espantados com a potência espiritual de Rasika Murari e o malvado zamindar muçulmano também se rendeu a ele.

Shyamananda entregou o serviço a sua deidade pessoal de Govinda em Gopiballabhpur para Rasikananda. Ele liberou inúmeras entidades vivas sem nunca considerar a sua casta ou religião. Rasikananda manteve-se constantemente embriagado em Harinam sankirtana. Quem não ficaria emocionado ao recitar suas virtudes? (Bhakti-ratnakara 15.81-6)

O Prema-vilasa corrobora isso no capítulo 19, “Ele liberou muitos criminosos e muçulmanos.”  Vaidyanath Bhanj, Raja de Mayurbhanj em Orissa, também se sentiu atraído pela potência transcendental de Rasikananda e tornou-se seu discípulo. Outros importantes discípulos foram Ganapati, o zamindar de Patashpur em Midnapore, Sri Bhima e Srikara, os zamindars de Dharenda e Ahmed Beg e o genro de Ibrahim Khan, o governador de Orissa.

Rasikananda Deva Goswami escreveu uma série de trabalhos, incluindo o Syamananda-staka, Bhakta-Bhagavatastaka e Kunjakeli-dvadasaka.

Desaparecimento de Rasikananda

É dito que pouco antes do desaparecimento de Rasikananda em 1652 d.C., ele foi com sete de seus discípulos em uma vila chamada Bansdaha, próximo a Jaleswar. Mahaprabhu passou pela aldeia quando viajava para Puri com Nityananda. (Chaitanya Bhagavata 3.2.263-4)

Rasikananda e seu grupo saiu de lá para Remuna, cantando kirtan por todo o caminho. Ao chegarem no pátio do famoso templo Khirchora Gopinath, Rasikananda de repente fundiu-se no corpo da deidade de Gopinath. Seus discípulos também deixaram seus corpos no mesmo lugar. O puspa-samadhi de Rasika Murari e de seus sete associados ainda são mantidos no pátio do templo Khirchora Gopinath. Anualmente, um festival com duração de doze dias é realizado em Remuna para celebrar seu desaparecimento. Isto ocorre em Siva-caturdasi no mês de Magh.

Visvambharananda Deva Goswami, o autor do celebrado Astikya-darsana, descende de Rasikananda.

Tradução: Madhukari Radhika devi dasi
Revisão: Ramananda das (Felipe D’Aviz)
Fonte: Sri Rasikananda