Desaparecimento de Srila Visvanatha Chakravarti Thakura

Em 2018, o dia do desaparecimento de Srila Visvanatha Chakravarti Thakura é celebrado em 22 de janeiro. Segue abaixo uma pequena biografia sobre sua vida.

Srila Visvanatha Chakravarti Thakura
Srila Visvanatha Chakravarti Thakura

 Srila Visvanatha Chakravarti Thakura apareceu em uma família de brahmanes da comunidade de Radhiya, no distrito de Nadiya, Bengala Ocidental. Ele recebeu o nome de Hari-vallabha, e tinha dois irmãos mais velhos, Ramabhadra e Raghunatha. Durante sua infância, concluiu seus estudos de gramática no vilarejo de Devagrama. Depois disso, passou a estudar as escrituras devocionais na casa do seu mestre espiritual no vilarejo de Saiyadabada, distrito de Mursidabad. Enquanto residia em Saiyadabada, escreveu as obras Bhakti-rasamrta-sindhu-bindu, Ujjvala-nilamani-kirana e Bhagavatamrta-kana. Depois disso, renunciou a vida familiar e partiu para Vrndavana, onde escreveu vários outros livros e comentários.

Após o desaparecimento de Sri Chaitanya Mahaprabhu e dos seis Goswamis de Vraja, a corrente de devoção pura (suddha-bhakti) continuou a fluir através da influência de três grandes personalidades: Sri Narottama dasa Thakura, Srinivasa Acharya e Sri Syamananda Prabhu. Srila Visvanatha Cakravarti Thakura é o quarto na linha de sucessão discipular que descende de de Srila Narottama dasa Thakura. Discípulo de Srila Narottama dasa Thakura, Srila Ganga-narayana Chakravarti Mahasaya, viveu em Balucara Gambhila Mursidabad. Ele tinha uma filha chamada Visnupriya, mas nenhum filho, então adotou o devoto Sri Krishna-carana. Krishna-carana era o filho caçula de Ramakrishna Bhattacharya, outro discípulo de Srila Narottama dasa Thakura, e pertencia à comunidade brahmane de Varendra. O discípulo de Sri Krishna-carana era o mestre espiritual de Sri Radha-ramana Chakravarti, o mestre espiritual de Srila Visvanatha Chakravarti Thakura.

Na velhice, Srila Visvanatha Chakravarti Thakura passava a maior parte do seu tempo em um estado semiconsciente ou interno, profundamente absorto em bhajana. Durante essa época, surgiu um debate em Jaipur entre Gaudiya Vaisnavas e Vaisnavas que apoiavam a doutrina de svakiya, os passatempos de amor conjugal do Senhor.

Os Vaisnavas do campo antagonista [da linha de Sri Ramanuja] levaram o rei Jaya Singh II de Jaipur a acreditar que a adoração à Srimati Radhika com Sri Govindadeva não era apoiada pelas escrituras. A alegação era de que o nome de Srimati Radhika não era sequer mencionado no Srimad-Bhagavatam ou no Vishnu Purana, e que Ela nunca havia se casado com Sri Krishna segundo os rituais Védicos.

Sri Camatkara-candrika
Sri Camatkara-candrika

Os Vaisnavas antagonistas ainda alegavam que os Gaudiya Vaisnavas não pertenciam a uma sampradaya reconhecida, ou a uma linha de sucessão discipular. Desde tempos imemoriais há quatro Vaisnava sampradayas: a Sri sampradaya, a Brahma sampradaya, a Rudra sampradaya e a Sanaka (Kumara) sampradaya. Nesta era de Kali, os principais acharyas dessas quatro sampradayas são, respectivamente, Sri Ramanuja, Sri Madhva, Sri Visnuswami e Sri Nimbaditya. Os Ramanuja Vaisnavas diziam que os Gaudiya Vaisnavas não se incluíam nessas quatro sampradayas e, portanto, não possuíam uma linhagem pura. Além disso, alegavam que devido aos Gaudiya Vaisnavas não possuírem seu próprio comentário para o Brahma-sutra (também conhecido como Vedanta-sutra), eles não seguiam uma sucessão discipular Vaisnava genuína.

Maharaja Jaya Singh sabia que os Gaudiya Vaisnava acharyas proeminentes de Vrndavana eram seguidores de Srila Rupa Goswami e os convocou a irem a Jaipur para aceitarem o desafio dos Sri Ramanuja Vaisnavas. Já em idade avançada, Srila Chakravarti Thakura estava plenamente absorto na bem-aventurança transcendental de bhajana, por isso enviou o seu aluno Srila Baladeva Vidyabhusana ao encontro em Jaipur. O Gaudiya Vaisnava vedantacharya Sri Baladeva Vidyabhusana, a coroa do círculo dos eruditos e o mais exaltado dentre os mestres no Vedanta, partiu para Jaipur acompanhado por Sri Krishnadeva, discípulo de Srila Chakravarti Thakura.

Os goswamis de casta haviam esquecido a sua própria conexão com a Madhva sampradaya e desrespeitavam a visão da doutrina dos Gaudiya Vaisnavas ao dizerem que eles não tinham nenhuma conexão com Vedanta. Isso causou uma perturbação considerável nos verdadeiros Gaudiya Vaisnavas. Porém, Srila Baladeva Vidyabhusana se utilizou de lógica irrefutável combinada com evidências escriturais poderosas para provar que a Gaudiya sampradaya era uma Vaisnava sampradaya pura, a Sri Brahma-Madhva-Gaudiya-Vaisnava sampradaya, da linha de Sri Madhvacharya. Srila Jiva Goswami, Srila Kavi Karnapura e outros acharyas anteriores também aceitaram isso como um fato. Os Gaudiya Vaisnavas aceitam o Srimad-Bhagavatam como o comentário genuíno do Vedanta-sutra. Por este motivo, ninguém da Gaudiya Vaisnava sampradaya havia escrito um comentário separado sobre o Vedanta-sutra.

sankalpa capa
Sri Sankalpa-Kalpadrumah

O nome de Srimati Radhika, a personificação da potência de prazer (hladini-shakti) e a eterna amada de Sri Krishna, é mencionado em diversos Puranas. Ao longo do Srimad-Bhagavatam, especialmente no Décimo Canto com a descrição dos passatempos do Senhor em Vrndavana, Srimati Radhika é citada de maneira indireta e discreta. Somente devotos rasika e bhavuka familiarizados com as conclusões das escrituras podem entender esse mistério confidencial.

No encontro de eruditos em Jaipur, Srila Baladeva Vidyabhusana refutou os argumentos e dúvidas da parte contrária, e todos foram silenciados por sua apresentação. Ele estabeleceu que os Gaudiya Vaisnavas estão na sucessão discipular de Sri Madhvacharya. No entanto, apesar de sua vitória, a parte contrária não aceitou que a Gaudiya sampradaya era uma linhagem Vaisnava pura, pois os Gaudiyas não tinham nenhum comentário sobre o Vedanta sutra. Por esse motivo, Srila Baladeva Vidyabhusana compôs o famoso comentário Gaudiya, Sri Govinda-bhasya. Mais uma vez, a adoração à Sri Sri Radha-Govinda começou no templo de Sri Govindadeva, e a validade da Sri Brahma-Madhva-Gaudiya sampradaya foi firmemente estabelecida.

Foi somente com a autoridade de Srila Visvanatha Chakravarti Thakura que Sri Baladeva Vidyabhusana foi capaz de escrever o Sri Govinda-bhasya e comprovar a conexão dos Gaudiya Vaisnavas com a Madhva sampradaya. Não deve haver dúvidas a este respeito. Tal conquista de Srila Visvanatha Chakravarti Thakura, realizada em nome da sampradaya, ficará para sempre gravada na brilhante história do Gaudiya Vaisnavismo.

Fonte: extraído do livro “Sri Camatkara-candrika” de Srila Visvanatha Chakravarti Thakura.

Para ler sobre seus livros, clique aqui e aqui.

Para adquirir os livros de sua autoria lançados em português pela Editora Gouraprema, clique aqui.